Mostrando postagens com marcador 5º ano. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador 5º ano. Mostrar todas as postagens

Textos de diversos Gêneros com interpretação 4° e 5º anos









Share:

Diversos textos com atividades 5º ano



SORRISAL

26 gotas de sorriso
10 colhres de gargalhadas
1 vidro de xarope de felicidade
1 colher de sopa de alegria

Misture todos os ingredientes e coloque dentro de um vidro em forma de coração.
Dar uma colherzinha de café depois de cada tristeza.

1 – O texto acima é
(A) uma piada.                     (C) uma receita.
(B) uma lista.                                   (D) um poema. 

2 – O texto é uma receita para curar a
(A) alegria.                (C) tristeza.
(B) doença.               (D) dor.

Os gigantes marinhos
A baleia-azul é o maior animal do mundo.
Ela é tão comprida quanto quatro ônibus e mais pesada que vinte elefantes!
Os golfinhos são cetáceos - mamíferos que vivem na água – como as baleias. Mas são muito menores que elas.

Mini – Larousse dos Golfinhos e Baleias. São Paulo: Larousse do Brasil, 2003.
3 – O assunto principal do texto é
(A) os maiores mamíferos que vivem na água.
(B) a vida dos golfinhos.
(C) a vida das baleias.
(D) como as baleias se alimentam.

Leia os textos abaixo.

Convidamos os alunos para participarem da Infância Missionária na Escola Osmar.
Contamos com a participação de todos.
Tia Iêda.

Senhor Nonato,
Assim que chegar, gostaria de recebê-lo na secretaria para conversarmos melhor sobre sua prosposta de redução de gastos dos materiais de limpeza usados na escola.
Cordial abraço
Zalina.


4 – A seqüência dos gêneros textuais acima é
(A) anúncio e carta.    (C) convite e carta.
(B) convite e bilhete.  (D) poema e bilhete.


5 – “Assim que chegar, gostaria de recebê-lo, a palavra grifada se refere
(A) a Zalina.                 (C) ao Senhor Nonato.
(B) ao assunto.            (D) a escola.

Texto do caipira
            O caipira andava ao longo da estrada seguido de dez cavalos. Nisso, veio um automóvel e o motorista gritou para o caipira:
            - Você tem dez. Mas eu tenho duzentos e cinqüenta cavalos! – E – vrruuum! – saiu em disparada!
            O caipira continuou seu passo. E lá na frente estava o carro virado dentro do rio, ao lado da ponte.
            Aí, o caipira falou pro motorista:
            - Oi, cumpadre! Dando água pra tropa, é?

Trecho retirado do livro “As últimas anedotinhas do bichinho de maçã”, de Ziraldo.

6 –  O humor do texto está na frase que diz
(A) “Mas eu tenho duzentos e cinqüenta cavalos!”.
(B) ”Você tem dez.”
(C) “—Oi, cumpadre! Dando água aos cavalos!”
(D) “Lá na frente estava o carro virado dentro do rio”.

Prezado Senhor,
Comunicamos que já foi providenciado o encerramento da sua conta corrente, conforme sua solicitação.
Colocamos a nossa equipe à sua disposição para esclarecer possíveis dúvidas.
Atenciosamente,

Édson Perin
Superintendente Comercial

7 – A pessoa que enviou a carta poderia fazer outra muito semelhante para
(A) contar como foram as férias.
(B) matar a saudade do filho ausente.
(C) comunicar o fechamento da loja.
(D) xingar o compadre pela ausência.

8 – A finalidade do texto é:
(A) fazer um convite.     (C) dar uma notícia.
(B) fazer um comunicado. (D) divulgar um produto.

Soluções caseiras
Se você já se ligou na importância de economizar energia, tome nota de dicas muito simples do que é possível fazer em casa para evitar o desperdício de eletricidade:
* Durante o dia, procure abrir as cortinas e as janelas para não ter de acender a luz. E na hora de escolher uma lâmpada, as fluorescentes são bem mais econômicas que as incandescentes, aquelas redondinhas comuns em qualquer lugar.
Ciências Hoje das crianças. Rio de Janeiro: SBPC, Ano 11, jul., 1998.


9 – No texto Soluções Caseiras,  o autor faz recomendações sobre:
(A) a economia de energia
(B) as vantagens da eletricidade.
(C) as fontes de energia.
(D) os riscos da eletricidade.

Prisioneiro
Numa gaiola de pau
Um pica-pau
Fica mau.
Fica
Mau,
Fica,
E o pau
Pica
O pica-pau
Sidônio Muralha
10 – . A palavra Prisioneiropode ser substituída, sem mudar o sentido, por
(A) liberto.                 (C) detento.
(B) solto.                    (D) guerreiro.

Leia o texto.
O mundo é grande
O mundo é grande e cabe
Nesta janela sobre o mar.

O mar é grande e cabe
Na cama e no colchão de amar.
O amor é grande e cabe
No breve espaço de beijar.
Carlos Drummond de Andrade
11 – 11.O poema trata
(A) das coisas grandes que cabem em pequenos espaços.
(B) da cama e do colchão.
(C) da janela do mar.
(D) do amor exagerado
BRINCADEIRA
Francisco da Silva Pereira, 2ª série.
Queimada é assim: dois times ficam separados e quem fica com a bola tem que queimar alguém do outro time e quando queima essa pessoa vai para o morto. Quando a pessoa queimada agarra a bola, ela pode queimar o inimigo do outro time. Vence o jogo quando acabarem os participantes do outro time.
12 – Esse texto serve para:
(A) ensinar uma brincadeira.
(B) vencer um jogo.
(C) separar o time.
(D) arranjar inimigo.

13 – Segundo o texto, a pessoa queimada pega a bola e:
(A) sai do jogo.
(B) fica com ela.
(C) queima um inimigo do outro time.
(D) o jogo termina.


Pepita a piaba
Lá no fundo do rio, vivia Pepita: uma piaba miudinha.
Mas Pepita não gostava de ser assim.
Ela queria ser grande... Bem grandona...
Tomou pílulas de vitaminas... Fez ginástica de peixe... Mas nada...
Continuava miudinha.
—O que é isso? Uma rede?
Uma rede no rio! Os pescadores!
Ai, ai,ai,... Foi um corre-corre... Foi um nada-nada...
Mas... Muitos peixes ficaram presos na rede.
E pepita?
Pepita escapuliu... Ela nadou, nadou bem pra longe dali!

14 – No trecho Lá no fundo do rio vivia Pepita”, a expressão sublinhada dá idéia de:
(A) causa.                 (C)lugar.
(B) explicação.                     (D)tempo.

15 – O problema de Pepita terminou quando ela:
(A) ficou grandona.
(B) tomou pílulas de vitamina.
(C) caiu na rede dos caçadores.
(D) por ser miudinha, escapuliu fugindo para bem longe.

Leia o texto abaixo.

UM ESPETÁCULO PERIGOSO

Todos os anos, a estação das chuvas chega trazendo grandes tempestades, que fazem os rios transbordar. Geralmente, são acompanhadas de ventos fortes. Juntos, chuva e vento carregam tudo o que encontram pelo caminho. Os relâmpagos cruzam o céu. É um espetáculo, mas é preciso se proteger.
Durante as tempestades, os raios iluminam o céu. [...]
Duram menos de um segundo, mas podem matar, pois sua energia é muito grande. Geralmente, o raio atinge o ponto mais alto da região, como um edifício ou uma árvore isolada.
Por isso nunca pare debaixo de uma árvore durante um temporal, nem fique exposto em campo aberto.

A força da natureza: vulcões, furacões e terremotos.
São Paulo: Abril, 2000. p. 24. (Col. De olho no mundo.) (Fragmento.)
16 – De acordo com o texto, a estação das chuvas quando chega traz:
(A) poucos perigos a natureza.
(B) grandes tempestades, acompanhadas de raios e ventos fortes.
(C) nenhum tipo de perigo as pessoas.
(D) grandes prejuízos para a natureza.

17 – O texto chama de espetáculo:
(A) a tranqüilidade provocada pelas chuvas.
(B) a chuva e o vento que carrega tudo o que encontram pelo caminho.
(C) o perigo da tempestade provocada pelo vento.
(D o) raio atinge o ponto mais alto da região.

18 – Segundo o texto, não devemos ficar expostos em campo aberto durante um temporal porque:
(A) Faz muito frio.                           (C) Corremos risco de ser atingido por raios.
(B) Os rios transbordam.                (D) o vento é muito forte.
19 –“Todos os anos, a estação das chuvas chega trazendo grandes tempestades que fazem os rios transbordar”.A palavra grifada tem o mesmo sentido de
(A) derramar água em abundância.
(B) receber pouca água.
(C) não encher de água.
(D) carregar tudo que encontra.

20 – O tema do texto é:
(A) os relâmpagos que cruzam o céu.
(B) os perigos trazidos pela estação chuvosa.
(C) um espetáculo perigoso.
(D) o grande espetáculo natural.

21 – Nesse texto, o autor faz recomendações sobre:
(A) como se proteger dos raios do sol.
(B) c que fazer para não correr risco de ser atingido por raios.
(C) a importância da estação chuvosa.
(D) o espetáculo dos raios.

Leia.
“O pássaro cativo”
(trecho)
Armas, num galho de árvore, o alçapão;
E, em breve, uma avezinha descuidada,
Batendo as asas cai na escravidão.

Dás-lhe então, por esplêndida morada,
A gaivota dourada;
Dás-lhe alpiste, e água fresca, e ovos, e
Tudo;
Por que é que, tendo tudo, há de ficar
O passarinho mudo,
Arrepiado e triste, sem cantar? [...]
(Olavo Bilac)
22 – A expressão: “... uma avezinha batendo asas cai na escuridão”, tem o mesmo sentido de:
(A) cair durante a noite.
(B) a avezinha ficou presa no alçapão.
(C) a avezinha foi morta com armas do caçador.
(D) a avezinha bateu asas e fugiu.

23 – 01. A principal intenção desse texto é:
(A) mostrar a tristeza de um pássaro engaiolado.
(B) mostrar como o pássaro bem cuidado é feliz.
(C) mostrar como é bom ver a liberdade do passarinho.
(D) falar da moradia, das armas e do alimento dos pássaros.

24 – O assunto apresentado no texto é:
(A) a prisão do passarinho.
(B) a liberdade do passarinho.
(C) a vida dos passarinhos.
(D) a morada dos passarinhos.


25 – Segundo o texto, o passarinho mesmo tendo “casa”, água, comida e carinho vivia:
(A) alegre a cantar.
(B) com medo.
(C) arrepiado e triste.
(D) arrepiado e sem cantar.

26 – “Dá-lhe então, por esplendida morada, a gaiola dourada”.
A palavra grifada na frase refere-se:
(A) ao passarinho.
(B) a gaiola dourada.
(C) as armas.
(D) ao autor do texto.

Share:

ATIVIDADE DE PORTUGUÊS – COMPREENSÃO


ATIVIDADE DE PORTUGUÊS – COMPREENSÃO


POSSO TOMAR BANHO DEPOIS DAS REFEIÇÕES
Tomar banho frio ou entrar numa piscina depois de ter comido não oferece riscos. O que se deve fazer é qualquer tipo de exercício físico intenso, como nadar ou surfar. Isso desvia o sangue do estômago para os músculos que estão trabalhando. Após as refeições, boa parte do seu sangue vai para o estômago e o intestino a fim de realizar uma digestão adequada. Ao praticar esportes depois de comer, a pessoa fica passando mal (enjôo, suor frio e tontura). Tomar banhos longos na banheira dilata os vasos sangüíneos da pele e desvia o sangue do estômago.
[...]
Marcelo Duarte. O guia dos curiosos. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. p. 143-146.

1.        O que há em comum entre os músculos e os órgãos que fazem a digestão é
a)        os dois precisam de sangue para trabalhar.
b)        os dois só podem trabalhar ao mesmo tempo.
c)        os dois são responsáveis pelo mal estar das pessoas
d)        os dois são vasos sangüíneos.

2.        A finalidade do texto é
a)        ensinar como se toma banho frio em uma piscina após as refeições
b)        descrever intestino, o estômago, os músculos e os vasos sangüíneos.
c)        informar sobre os riscos da atividade física intensa após as refeições.
d)        Contar uma história de alguém que passou mal após uma refeição.

3. “Após as refeições, boa parte do seu sangue vai para o estômago e o intestino a fim de realizar uma digestão adequada”. – As palavras grifadas podem ser substituídas sem mudar o sentido da frase por

a)        durante as
b)        antes das
c)        depois das
d)        em seguida.


4. O gênero do texto é

a)        poético
b)        jornalístico
c)        humorístico
d)        instrucional



A CIDADE MACOTA
“Mário não nasceu no fundo do mato-virgem. Ao contrário nasceu na cidade mais barulhenta, mais cheia de carros, motos, ônibus, poluição, chaminés, máquinas, gente e prédios do Brasil.
São Paulo! Comoção das nossas vidas...
São Paulo! A cidade macota lambida pelo igarapé Tietê.”

Luciana Sandroni. O Mário que não é de Andrade. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 2001. p. 7.

CIDADE MACOTA: cidade importante
IGARAPÉ: pequeno rio

1. O texto descreve uma área rural ou urbana?
2. Em que cidade o Mário mora?
3. Como é a cidade de Mário?
4. O que podemos encontrar na cidade onde Mário mora?
5. Onde você mora se parece com a cidade de Mário? Explique:
6. Faça um texto descrevendo o lugar onde você mora.

DO OUTRO LADO DO MAR

“E Pedrinho viu o que havia do outro lado do mar.
Era uma terra de sol, terra de matas, terra de mar...
Do outro lado do mar viviam pessoas.
Homens, mulheres, meninos, meninas.
Todos pardos, enfeitados de penas, pintados de cores alegres.
Índios. LINDOS!
Viviam pássaros de todas as cores.
Cobras de todos os tamanhos.
Feras de todas as bravezas”.

Ruth Rocha. Faz muito tempo. São Paulo: Ática, 1999. p. 14. 1.
1. Quem são os personagens do texto?
2. De onde partiram e aonde chegaram os personagens desse texto?
3.        Cite algumas diferenças entre os dois grupos de pessoas. Que língua falavam? De que ou como viviam? Em que acreditavam – como eram suas crenças?




ALIMENTAÇÃO PORTUGUESA NO BRASIL

Ao se fixar nestas terras, os portugueses trouxeram vários de seus hábitos alimentares. Par produzir algumas das comidas a que estavam de seus habituados, começaram a criar bois, vacas, ovelhas, cabras, carneiros, porcos, galinhas, patos e gansos. Cultivavam cana-de-açúcar, trigo, laranja, arroz, couve, alface, alho, limão e muitos outros vegetais. O uso do ovo de galinha na alimentação foi outra tradição portuguesa trazida para a América.
Mas a grande novidade introduzida pelos portugueses foi a sobremesa, ou seja, o hábito de comer doces após as refeições. Foram os portugueses que colocaram nas mesas os bolos e tortas douradas cobertas de fios de ovos, cravo e canela, delicadamente perfumados com erva-doce e hortelã. A paixão brasileira pelos doces é uma herança portuguesa.


1.        Qual é o assunto central do texto?
2.        Esse texto serve para que?
3.        Cite três alimentos comuns na alimentação brasileira de hoje que foram trazidos pelos portugueses?
4.        Qual a grande novidade alimentar trazida pelos portugueses?
5.        Faça uma lista coma as refeições mais habituais na sua casa, no café-da-manhã, no almoço e no jantar.


O NAVIO NEGREIRO VELOZ


Em 1829, o navio português Veloz foi capturado no Oceano Atlântico, carregando 336 homens e 226 mulheres. Quando ele foi capturado, 55 escravos mortos já tinham sido jogados no mar.
No interior do navio, os escravos ficavam amontoados em celas de no máximo, 90 centímetros de altura.
Com a captura do navio, os escravos saíram rastejando para o convés, desesperados por um pouco de ar e água frescos.

Buscado em Robert Edgar Conrad. Tumbeiros: São Paulo: Brasiliense, 1985. p. 54.

1. Quem eram os homens e as mulheres transportados no navio Veloz?
2. Havia mais homens ou mulheres no navio?
3. Quantos escravos no total embarcaram no navio?
4. De onde você acha que esse navio partiu?
5. Qual o significado da palavra captura e amontoados?


A TRISTE PARTIDA


O carro já corre
 No topo da serra
Oiando pra terra,
Seu berço seu lá.
Aquele nortista,
Partindo de pena,
De longe inda acena:
Adeus, Ceará!

No dia seguinte,
Já tudo enfadado,
E o carro embalado,
Veloz a corrê,
Tão triste coitado,
Falando saudoso
Um fio choroso
Escrama a dizê:


-De pena a sodade,
Papai sei que morro!
Meu pobre cachorro,
Quem dá de comê?
Já outo pergunta:
-Mãezinha, e meu gato?
Com fome e sem trato,
Mimi vai morrê!

E a linda pequena,
Tremendo de medo:
-Mamãe, meus brinquedo!
Meu pé de fulô!
Meu pé de rosêra,
Coitado, ele seca!
E a minha boneca
Também lá ficou. [...]”


Patativa do Assaré. Canção citada em Helder Pinheiro, Cordel em sela de aula. São Paulo: Duas cidades, 2001.

1.        De que trata o texto que você leu?
2.        Que personagens são apresentados e qual o local de onde eles saíram?
3.        De acordo com o texto porque essas pessoas abandonaram o local onde viviam?
4.        Que tipo de linguagem o poeta utiliza no poema? Por que ele fez isso?
5.        Reescreva o poema fazendo a correção das palavras que você considera estar escrita de forma errada.





NA BAGAGEM, NOVOS RITMOS E SONS

Os sertanejos que se deslocavam para as grandes cidades não levavam apenas sonhos e esperanças. Esses baianos, pernambucanos, paraibanos, cearense e tantos outros espalharam pelo Brasil os ritmos e sons do Nordeste. A letra da música a seguir, narra a saída de um nordestino do seu lugar de origem.


“Quando eu vim do sertão,
Seu moço, do meu Bodocó
A malota era um saco
E o cadeado era um nó
Só trazia a coragem e a cara
Viajando num pau-de-arara
Eu penei, mas aqui cheguei

Touxe um triângulo, no matolão
Truxe um gonguê, no matolão
Touxe um zabumba dentro do matolão
Xote, maracatu e baião
Tudo isso eu trouxe no meu matolão.”


Luis Gonzaga e Guio de Moraes. Pau-de-arara.

1.        Quem é o autor da letra da música?
2.        Quem é o narrador?
3.        De onde partiu o narrador da letra da música?
4.        Que meio de transporte ele usou para viajar?
5.        O que esse narrador “migrante” levou na bagagem?
6.        Percebe-se que nesse texto também há um traço de humor. Que frase expressa esse lado humorístico?
7.        “XOTE, MARACATU, E BAIÃO.” É possível trazer isso no matolão? Por quê?

BAIRRO ALTO

“O bairro está localizado em uma das partes mais elevadas da cidade, o que explica seu nome. Seus limites são o bairro Tarumã, na parte de baixo, e o bairro
Atuba, na parte superior.
A área onde nasceu o bairro era propriedade da família Castilho, que iniciou o loteamento em 1940, uma época em que a região era cortada por diversos riachos, que deram nome a muitas de suas ruas”.
Prefeitura Municipal de Curitiba. Disponível em: www.curitiba.pr.gov.br.

1.        O texto que você leu apresenta a origem do nome de um bairro. Qual é o bairro?
2.        Por que o bairro recebeu esse nome?
3.        Em que cidade fica esse nome?
4.        Que elementos naturais deram nome a muitas ruas desse bairro?
5.        Qual a finalidade do texto?
6.        Onde essa informação se encontra disponível?


Share:

Gostou? Que tal compartilhar!!!