O que não pode faltar nas salas da Educação Infantil?

  
Uma sala disposta de modo a possibilitar às crianças espaços para se organizarem em pequenos grupos abre novas oportunidades de interação. Espaços mais reservados para atender a uma eventual necessidade de a criança ficar sozinha e outros para reunir todo o grupo propiciam o desenvolvimento da autonomia da criança, considerando-a sujeito de suas aprendizagens.
     Cabe ressaltar que a interação criança-criança é tão importante e necessária quanto a interação criança-adulto.
     De acordo com as Orientações Curriculares para a Educação Infantil – OCEI (p. 53-59), na rotina diária das crianças de creche e pré-escola pode haver mais de uma atividade, acontecendo simultaneamente, o que dá oportunidade às crianças de fazerem suas escolhas.
     É importante disponibilizar um espaço para uma criança ou pequenos grupos de crianças brincarem sem a interferência de outras crianças, garantindo sua privacidade na brincadeira. Ali, elas podem ler um livro, brincar com seus pares ou simplesmente relaxar. A organização intencional do espaço pode proporcionar novas formas de encontro, evitando que as crianças se envolvam a todo o momento em atividades ativas, o que pode acarretar cansaço, irritação ou desgastes desnecessários.     Em relação à organização da sala e dos materiais, o adulto pode considerar as seguintes sugestões:    Estantes baixas são ótimas para delimitar espaços amplos para brincadeiras ativas, ou espaços restritos, para atividades calmas. Ao mesmo tempo, possibilitam ao adulto visualizar as crianças e vice-versa, possibilitando interações e supervisões.
     Inicialmente, é necessário organizar as mesas e os cantinhos com diferentes propostas e mostrar para o grupo como eles funcionam.
     Conversar com as crianças na rodinha sobre o funcionamento dos cantinhos, assim como solicitar que deem sugestões de atividades que gostariam de realizar no planejamento do dia.
  Organizar, juntamente com as crianças, diferentes cantinhos, propostos a partir das sugestões das crianças e das intencionalidades expressas no planejamento. Uma possibilidade é construir com elas uma tabela de dupla entrada, com as atividades oferecidas e o nome das crianças. Importante preencher com elas a tabela, durante a  semana, conforme forem desenvolvendo as propostas de trabalho na ordem em que escolherem.     Pode-se começar, oferecendo três cantinhos: o de faz de conta, o de jogos e o de arte. As crianças circulam por eles em rodízio. Além desses cantinhos, há ainda a possibilidade de se sentarem no chão ou em um tapete para trabalharem com os jogos ou com os blocos de construção.   Esses cantinhos precisam também ser confortáveis para o adulto, de modo que ele possa interagir com o grupo e ajudar as crianças na solução de problemas.   Materiais como brinquedos, jogos, papéis, ferramentas, lápis e outros podem ficar em caixas com o desenho do material e a legenda, ou mesmo em caixas transparentes.     Após algum tempo de vivência, as atividades já integrarão a rotina do grupo, sendo possível criar novas propostas e organizações.Trazemos, abaixo, alguns materiais que podem ser oferecidos e organizados em cantinhos para as crianças, nas diferentes faixas etárias:

 
     Podem-se utilizar, para a montagem desses cantinhos, objetos inutilizados de nosso cotidiano, como por exemplo, secadores de cabelo, teclados de computador, telefones, batedeira, entre outros, observando-se sempre o cuidado com a segurança das crianças. 
    É imprescindível retirar qualquer parte ou peça que possa oferecer risco como fios, pilhas e baterias.
Todos esses cantos se integram, comunicam-se e se articulam como na vida. O livro pode virar uma revista do salão, os blocos podem virar uma ponte para os carros ou um bercinho para bonecas. Apesar de a escolha dos objetos terem uma intencionalidade, a significação será dada pela criança, de acordo com as suas vivências e expectativas.
      
     Na organização do ambiente não deve faltar: 
Espaços para as crianças ampliarem seus movimentos (andar, pular, correr, saltar...), que podem ser organizados também na área externa.
   Oportunidade de escolha de atividades (ter acesso garantido a brinquedos e materiais) e de colegas para brincar ou até mesmo ficar sozinho em algum momento a fim de realizar projetos individuais, para refletir etc.
   Oportunidades para criar livremente, imaginar, expressar-
se e fazer descobertas.
      Mediações feitas pelo adulto, incentivando as crianças a estabelecerem relações, ampliando a compreensão sobre o
mundo que as cerca.
   Facilidade para as crianças interagirem com seus pares e com os adultos, de maneira que se sintam acolhidas e seguras.
    Os espaços de Educação Infantil devem garantir o respeito à criança, tendo como premissa os seguintes aspectos:
    a) Proteção à saúde e segurança. b) Construção de relações positivas. c) Criação de oportunidades para a aprendizagem.
     Também sugerem as possibilidades educativas para a utilização de materiais e de brinquedos:
   Materiais e brinquedos são imprescindíveis para o desenvolvimento de atividades individuais, de pequenos e grandes grupos na    Educação Infantil. As crianças pequenas aprendem principalmente por meio da exploração, observação e descoberta, em especial durante suas brincadeiras, da imitação dos outros e das informações que lhes são dadas ao interagir com seus pares e adultos. 
    Além de o documento chamar a nossa atenção para a importância de um ambiente rico, promotor do desenvolvimento e da aprendizagem de crianças pequenas, ele ainda apresenta sugestões de brinquedos e materiais distribuídos de acordo com a faixa etária e com as áreas de conhecimento e linguagens na Educação Infantil.
   

Share:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Deixe um recadinho.