Atividade de Alfabetização letra inicial para pré - silábicos e silábicos sem valor sonoro BNCC (EF01LP07)

Objetivo: Identificar a letra inicial das palavras.
BNCC: (EF01LP07) Identificar fonemas e sua representação por letras.
Vale lembrar que segundo Magna Soares, no início do processo de alfabetização, o alfabetizador não deve se centralizar na letra nem no som da letra. Por quê? Sobretudo porque a letra corresponde a um fonema, e os fonemas linguisticamente não são pronunciáveis.
A única exceção são as vogais, em que o nome da letra corresponde ao fonema que ela representa, embora uma letra vogal possa corresponder a mais de um fonema: o ‘a’ representa o /a/ [como em ‘abrir’], mas também representa o /ã/ [como em ‘anjo’]; o ‘o’, que representa a vogal fechada, como em olhar, a vogal aberta, como em ódio, a vogal nasal, como em onça; o mesmo ocorre com as demais vogais. Fala-se muito que as vogais são cinco e na verdade elas são doze.
Então, não se trata de uma escolha entre representar o nome da letra ou o som da letra, porque não é possível pronunciar o som das letras, das consoantes. Você até pode apresentar o nome das letras, e isso costuma ajudar, porque uma boa parte das letras do nosso alfabeto tem um nome em que está presente o fonema que ela representa. Por exemplo, o nome da letra ‘p’ é uma sílaba [pê], que começa com o fonema que essa letra representa. Em outras letras, o fonema a que a letra corresponde aparece no meio do nome. Por exemplo, na letra ‘m’, que tem o nome ‘eme’, que se pronuncia ‘emi’, o fonema /m/ está no meio do nome da letra. Tanto é assim que é frequente, por exemplo, a criança transformar uma letra numa sílaba: ao escrever, por exemplo, ‘peteca’, ela coloca apenas o ‘p’ representando a sílaba ‘pe’. Isso mostra que o nome da letra ajuda a criança a perceber o fonema que ela representa. Mas o que é fundamental é sempre trabalhar a letra na palavra, ou na sílaba, e não a letra isoladamente representando um som, porque não é possível pronunciar o som da letra, o fonema a que ela corresponde. Assim, não se trata de apresentar o nome da letra ou o som da letra. É um processo integrado: letras, sons das letras acompanhando o desenvolvimento da criança nas etapas psicogenéticas. A aprendizagem do sistema alfabético se dá pelo desenvolvimento simultâneo da conceitualização da escrita (as fases psicognéticas), o conhecimento das letras e a identificação dos fonemas a que as letras correspondem.

Fonte: CEALE



0 Comments:

Postar um comentário

Gostou? Deixe um recadinho.