Mostrando postagens com marcador Avaliações. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Avaliações. Mostrar todas as postagens

Simulado Língua portuguesa 3º ano Caderno do PROFESSOR

Share:

Simulado Língua portuguesa 3º ano Caderno do aluno

Share:

Avaliação de matemática 1º ano com tabela de habilidades


TABELA DE HABILIDADES
QUESTÃO
HABILIDADE
01
.( EF01MA01) - Utilizar números naturais como indicador de quantidade ou de ordem em diferentes situações cotidianas e reconhecer situações em que os números não indicam contagem nem ordem, mas sim código de identificação.
02
(EF01MA01) - Utilizar números naturais como indicador de quantidade ou de ordem em diferentes situações cotidianas e reconhecer situações em que os números não indicam contagem nem ordem, mas sim código de identificação.
03
.(EF01MA10) - Descrever, após o reconhecimento e a explicitação de um padrão (ou regularidade), os elementos ausentes em sequências recursivas de números naturais, objetos ou figuras.
04
(EF01MA06) - Construir fatos básicos da adição e utilizá-los em procedimentos de cálculo para resolver problemas.
05
(EF01MA08) - Resolver e elaborar problemas de adição e de subtração, envolvendo números de até dois algarismos, com os significados de juntar, acrescentar, separar e retirar, com o suporte de imagens e/ou material manipulável, utilizando estratégias e formas de registro pessoais.
06
(EF01MA15) -Comparar comprimentos, capacidades ou massas, utilizando termos como mais alto, mais baixo, mais comprido, mais curto, mais grosso, mais fino, mais largo, mais pesado, mais leve, cabe mais, cabe menos, entre outros, para ordenar objetos de uso cotidiano.
07
(EF01MA02) - Contar de maneira exata ou aproximada, utilizando diferentes estratégias como o pareamento e outros agrupamentos.
08
(EF01MA14) - Identificar e nomear figuras planas (círculo, quadrado, retângulo e triângulo) em desenhos apresentados em diferentes disposições ou em contornos de faces de sólidos geométricos.
09
(EF01MA18) - Produzir a escrita de uma data, apresentando o dia, o mês e o ano, e indicar o dia da semana de uma data, consultando calendários.
10
(EF01MA21)  -  Ler dados expressos em tabelas e em gráficos de colunas simples.

 Baixar em word



Share:

Avaliações 1º ao 5º anos com habilidades da BNCC


Compartilho com vocês este material maravilhoso disponibilizado pelo site Apoio Aula da AJS. Caso ainda não conheça vale a pena conferir. 
ESPAÇO INTERATIVO QUE DISPONIBILIZA CONTEÚDOS DE APOIO ÀS AULAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO BÁSICA, DESENVOLVIDOS PELA EQUIPE PEDAGÓGICA DA EDITORA AJS.

Segue o link do site para baixar as avaliações:

Ensino Fundamental I – Avaliações

Avaliação de Ciências, História e Geografia – 5º Ano – 1º Bimestre




Share:

Avaliação de Língua Portuguesa 1º ano




 

Final da etapa chegando é hora de avaliar o que foi trabalhado e estabelecer novas metas. Abaixo está uma avaliação de Língua Portuguesa para 1º ano. O link para baixar em pdf encontra - se no final da postagem.





Todos os direitos relativos a esta obra, como reprodução, alteração, distribuição comercialização, pertencem ao Blog e só podem ser utilizados com sua autorização.
     Este material foi organizado pela professora Kátia Teixeira.  Use somente em sua sala de aula.
     Fica expressamente proibido a sua utilização em sites,  redes sociais, blogs, páginas e outros similares sem autorização prévia da organizadora.
 Ao invés de compartilhar os arquivos, compartilhe o link e nos ajude a manter este espaço.

© TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. LEI FEDERAL N º 9.610/98.


Share:

Avaliação diagnóstica da Leitura 1º ano

Mais um ano letivo iniciou e com ele novas oportunidades e desafios surgem. Para garantir o sucesso dos seus alunos durante este ano algumas medidas deverão ser tomadas logo neste início e uma delas é avaliar a leitura dos alunos. Deixo abaixo uma sugestão de avaliação para turminhas de 1º ano. O arquivo está em word. 
          Para baixar clique na imagem abaixo.

Share:

DIAGNOSE: registrando os diferentes saberes de cada aluno...



QUEM SÃO OS SEUS ALUNOS?
QUAIS OS CONHECIMENTOS
QUE ELES ESTÃO CONSTRUINDO? O QUE PRECISAM APRENDER?
COMO SERÁ CONSTRUÍDO O  TRABALHO PEDAGÓGICO?

      Definir e redefinir os objetivos do fazer docente são ações inerentes ao nosso trabalho. Diante do currículo e das demandas de aprendizagem da turma e de cada aluno, o planejamento é construído e ganha os contornos necessários ao alcance de cada objetivo.
      Por essa razão, logo no início do ano letivo, torna-se fundamental conhecer a turma, conhecer cada aluno e traçar caminhos para que todos avancem. É importante, por exemplo, saber:
      •Quais as crianças que passaram pela Educação Infantil;
      •Se estudaram na mesma turma ou escola;
      •Se há relatórios disponíveis sobre o desenvolvimento dos alunos em suas experiências anteriores;
      •Quais os conhecimentos que construíram a respeito do sistema de escrita e de numeração decimal;
      •Quais as características culturais e afetivas que preponderam nos lugares onde vivem;
      •Quais os interesses e curiosidades que possuem;
      •Se há alunos que necessitarão de apoio específico (como suportes para a inclusão e adaptação para crianças com deficiência).
      A DIAGNOSE não se constitui em uma ação pedagógica definitiva e cristalizada em relação aos perfis apresentados pelos alunos no início do ano letivo.
      Trata-se de um momento importante, um ponto de partida para se pensar quais ações/possibilidades serão necessárias ao avanço no processo de alfabetização específico de cada aluno, assim como do coletivo da turma.
      Lembre-se de que a família deve se tornar uma grande aliada. Considere organizar reuniões frequentes de pais e responsáveis para que você, Professor(a), possa conhecer as famílias, que sempre oferecem informações relevantes sobre as vivências de cada criança. O compromisso com a frequência é algo de que não se pode abrir mão. Muitas vezes, algumas famílias não compreendem a importância da assiduidade, principalmente durante o processo de alfabetização. Aproveite esses encontros para mostrar o quanto os alunos precisam consolidar, gradativa e sistematicamente, o seu processo de alfabetização.
      Diante do trabalho a ser desenvolvido no 1º ano, identificar como os alunos estão se desenvolvendo, em cada uma das habilidades em destaque, contribuirá para a organização do planejamento.

      Sabemos que, durante o processo de diagnose, buscamos conhecer o que sabe cada um de nossos alunos. É preciso identificar aqueles que estão iniciando a construção de determinados conceitos e aqueles que já avançaram nesta ou naquela habilidade específica.
      A diversidade, inerente ao ser humano e, logicamente, aos nossos alunos, nos permite perceber crianças nas mais distintas etapas do processo de alfabetização. Como precisamos atender a todos, a DIAGNOSE inicial permitirá traçar/planejar atividades/ações para que todos evoluam e, mutuamente, se auxiliem nesse processo.
      As habilidades elencadas, para serem observadas durante o processo de DIAGNOSE, consideram, dentre outros aspectos, a escrita do próprio nome, a identificação de letras, a leitura e a produção de textos.      
      No âmbito da Matemática, são exploradas habilidades que também envolvem diferentes processos cognitivos. Pretende-se, neste início de ano letivo, observar o desenvolvimento de habilidades que envolvam as capacidades de identificação, comparação, ordenação, classificação e resolução de situações-problema envolvendo cálculos simples.
      Professor(a), ao observar seus alunos, tenha em vista as possibilidades de aprendizagem de cada um deles. Com a DIAGNOSE não se pretende buscar o que falta, mas sim o que cada criança já construiu e o que ainda precisa construir para conseguir apropriar-se da leitura e da escrita, desenvolvendo, concomitantemente, o seu raciocínio lógico. Esta é a função da escola: construir conhecimento.
      A indicação de habilidades para a DIAGNOSE e para investimento efetivo ao longo do bimestre não pode ser tomada como preditiva daquilo que as crianças deveriam saber. Deve, sim, ser tomada como referencial para que saibamos onde cada aluno se situa em relação ao que precisa desenvolver/avançar, a partir de onde está

      Quando o professor começa a falar de escrita para as crianças, precisa lembrar-se de que a maioria delas já tem informações a respeito. Se ele fizer com que elas explicitem essas informações, conversando a respeito do que sabem, terá um bom motivo e um caminho interessante para ensinar a ler e a escrever. [...]
      Por isso, o professor deve fazer esse levantamento antes de organizar o trabalho de ensino.       Reconhecer e respeitar esses conhecimentos das crianças motiva-as a aprender mais rápido, uma vez que elas constatam que já sabem muita coisa.
      Por outro lado, esse estudo é crucial no caso daqueles alunos que sabem muito pouco ou quase nada a respeito do sistema de escrita. Com esses alunos, o professor deverá tomar cuidados especiais, devendo ensinar noções que parecem óbvias a todo mundo, mas que não foram sequer percebidas por algumas crianças. Se esses alunos não receberem uma boa distinção entre desenho e escrita ou, ainda, que escrevemos com letras representando os sons das palavras, dificilmente acompanharão explicações mais específicas a respeito do funcionamento da escrita, da leitura e da fala [...] CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetizando Sem o Bá Bé Bi Bó Bu - 2ª ed – Coleção Pensamento e Ação. São Paulo: Scipione, 2009.

      Professor(a), a aprendizagem da leitura e da escrita necessita da utilização efetiva de textos como ponto de partida e de chegada. É fundamental que os alunos percebam os usos sociais da leitura e da escrita.
      Por essa razão, explore as características e as funções dos textos lidos. Ao trabalhar com narrativas, parlendas, poemas, receitas, manuais de instrução, rótulos, notícias, letras de música, trava-línguas e adivinhas, explore a finalidade de cada gênero textual.       Nesse trabalho, a oralidade ganha espaço privilegiado. Estimule seus alunos a expor suas ideias a respeito da finalidade dos diferentes textos trabalhados e amplie os conhecimentos que compartilharem. Levando em consideração a faixa etária dos alunos, verifique a possibilidade de montar um livrinho em que se reúnam textos para brincar.    Nesse material, poderiam ser reunidas parlendas, trava-línguas, adivinhas, canções de roda e listas de brincadeiras construídas pelos próprios alunos. Você pode, ainda, criar um manual de brincadeiras. Nele, os alunos podem selecionar e explicar como as brincadeiras favoritas são realizadas. Nesse caso, como escriba dos alunos, você pode registrar as instruções passadas por eles. A produção pode ser compartilhada com outras turmas da escola.

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

Share:

Caderno Simuladinho ANA e Prova Brasil com 76 páginas para baixar em pdf

Cara Professora, Caro Professor, 
Com a intenção de contribuir com seu trabalho, a Editora Saraiva preparou este material com questões originais de suas coleções ou adaptadas aos formatos da ANA – Avaliação Nacional da Alfabetização – e da Prova Brasil. 
As questões utilizadas foram extraídas de obras dos seguintes autores: • Língua Portuguesa: Angélica Alves Prado Demasi, Cristina Tibiriçá Hülle, Maria da Graça Fernandes Branco, Maria Luzia Lúcio Fonseca Marinho, William Roberto Cereja e Thereza Anália Cochar Magalhães. •
 Matemática: Daniela Maria Figueiredo Padovan, Ivonildes dos Santos Milan, Maria Priscila Bacellar Monteiro, Eliane Reame da Silva, Priscila Montenegro Siqueira, Lucília Bechara Sanches e Manhúcia Perelberg Liberman. 
O objetivo desse material é ajudá-lo a familiarizar seus alunos com o modelo das Avaliações Externas, compostas por questões de múltipla escolha, um padrão muitas vezes desconhecido pelo aluno dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. Essas avaliações em larga escala compõem o SAEB – Sistema de Avaliação da Educação Básica, que tem como principal objetivo avaliar a Educação brasileira, oferecendo subsídios para formulação, reformulação e monitoramento de políticas públicas educacionais, contribuindo, assim, para o aprimoramento de qualidade. 

COMO UTILIZAR O SIMULADINHO ANA? 
Professor(a), nas páginas a seguir você encontrará 3 cadernos de Matemática e 3 cadernos de Língua Portuguesa, com 10 questões cada. 
Para montar o seu Simuladinho ANA, junte 2 cadernos de cada disciplina. 
Utilize também as folhas de rosto de cada caderno para montar as avaliações. Ao final de todos os cadernos encontram-se gabaritos para conferência de respostas. 
Ao aplicar o simuladinho ANA, você deverá ler o enunciado para os alunos, no máximo duas vezes. Os textos que devem ser lidos estão identificados com o megafone ( ). 
Confira nos quadros a seguir as habilidades exigidas nessa avaliação e como elas estão dispostas nos cadernos.

Share:

Teste diagnóstico da Escrita em word com mapeamento

      Descobrir em qual nível cada uma está é um importante passo para os professores alfabetizadores levarem todas a aprender.      Nos primeiros dias de aula, o professor alfabetizador tem uma tarefa imprescindível: descobrir o que cada aluno sabe sobre o sistema de escrita. É a chamada sondagem inicial (ou diagnóstico da turma), que permite identificar quais hipóteses sobre a língua escrita as crianças têm e com isso adequar o planejamento das aulas de acordo com as necessidades de aprendizagem. Ela permite uma avaliação e um acompanhamento dos avanços na aquisição da base alfabética e a definição das parcerias de trabalho entre os alunos. Além disso, representa um momento no qual as crianças têm a oportunidade de refletir, com a ajuda do professor, sobre aquilo que escrevem. 

A sondagem deve ser individual, o que torna necessário propor ao resto da turma uma atividade que dispense ajuda. 
                                                                                                       Nova Escola

Share:

A importância da avaliação diagnóstica inicial





A avaliação diagnóstica ajuda a identificar as causas de dificuldades específicas dos estudantes na assimilação do conteúdo. (Foto: Manuela Novais)
A avaliação diagnóstica ajuda a identificar as causas de dificuldades específicas dos estudantes na assimilação do conteúdo. (Foto: Manuela Novais)
Identificar o que os alunos já sabem antes de começar o trabalho de mais um ano letivo é essencial para iniciar o planejamento docente. Para garantir que nada seja deixado de lado, organizo um cronograma de ações pedagógicas e elaboro um plano semestral com os professores, em que analisamos os dados de cada turma e elaboramos as avaliações diagnósticas.
A avaliação diagnóstica ajuda a identificar as causas de dificuldades específicas dos estudantes na assimilação do conhecimento, tanto relacionadas ao desenvolvimento pessoal deles quanto à identificação de quais conteúdos do currículo apresentam necessidades de aprendizagem. Costumo dizer que ela possui três objetivos principais: identificar a realidade de cada turma; observar se as crianças apresentam ou não habilidades e pré-requisitos para os processos de ensino e aprendizagem; e refletir sobre as causas das dificuldades recorrentes, definindo assim as ações para sanar os problemas.
Dentre os instrumentos que utilizo para verificar a aprendizagem das crianças, destaco:
Produção de texto: retomo os gêneros trabalhados em cada série nas diferentes modalidades organizativas. Assim, planejo uma situação em que os alunos produzirão um texto de determinado gênero e analiso os aspectos linguísticos e discursivos de cada um.
Leitura e interpretação de textos: organizo práticas de leitura para identificar quais habilidades os alunos dominam e quais ainda precisam desenvolver.
Resolução de problemas envolvendo as operações: considero neste caso os diferentes tipos de problemas que envolvem as operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Cálculos diversos.
Análise de dados das turmas: índice de alfabetização e resultado de avaliações anteriores.
A tabulação dos dados obtidos oferece um mapa da turma e permite identificar quais são os alunos que precisam de uma orientação maior. O plano de trabalho precisa ser definido para atender às necessidades desses estudantes, e muitas vezes torna-se necessário fazer uma intervenção pedagógica. O docente também não pode deixar de lado aqueles que têm mais facilidade, contemplando a todos em seu planejamento.
Leia também: 

Diagnóstico inicial: como ajudar o professor a realizá-lo

Share:

Gostou? Que tal compartilhar!!!