Gostou do Blog? Envie uma mensagem contando para seus amigos!

Mostrando postagens com marcador Alfabetização. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Alfabetização. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 23 de junho de 2014

Atividades com o texto Dona Aranha









domingo, 22 de junho de 2014

Completando Frases


domingo, 23 de março de 2014

Atividades para alfabetização com textos

A qualidade das imagens no link está bem melhor.

alfabetizando turma da monica. Download


















sexta-feira, 7 de março de 2014

Pasta de atividades para trabalhar consciência fonológica












 Acompanhe o Blog no Facebook


quarta-feira, 5 de março de 2014

Apostila de atividades para alfabetização


Apostilaadaptadadudu2 130720215443-phpapp01 from Fabi Duarte


Link para baixar o arquivo facilmente AQUI


segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Caderno de atividades Língua Portuguesa

 Desça a barra de rolagem para visualizar as atividades.
Click here to download this file
Powered by ebookbrowsee.net

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Trabalhando Consciência fonológica em sala de aula

                                    Clique na setinha para baixar o documento   

Powered by ebookbrowsee.net

Sequência de atividades trabalhar CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA

Você irá encontrar no final do poster um link para baixar a pasta de documentos.

Sabemos, hoje, que a consciência fonológica é um vasto conjunto de habilidades que nos permitem refletir sobre as partes sonoras das palavras (cf. BRADLEY; BRYANT, 1987; CARDOSOMARTINS,
1991; FREITAS, 2004; GOMBERT, 1992).
Sim, além de usar as palavras para nos comunicar, podemos assumir diante delas uma atitude metacognitiva, refletindo sobre sua dimensão sonora.
A consciência fonológica, ou o conhecimento acerca da estrutura sonora da linguagem, desenvolve-se nas crianças ouvintes no contato destas com a linguagem oral de sua comunidade. É na relação dela com diferentes formas de expressão oral que essa habilidade metalinguística desenvolve-se, desde que a criança se vê imersa no mundo lingüístico.
Diferentes formas linguísticas a que qualquer criança é exposta dentro de uma cultura vão formando sua consciência fonológica, entre elas destacamos as músicas, cantigas de roda, poesias, parlendas, jogos orais, e a fala, propriamente dita.

AS SUB-HABILIDADES DA CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA SÃO:
1. CONSCIÊNCIA DE PALAVRAS
2. CONSCIÊNCIA SILÁBICA
3. RIMAS E ALITERAÇÕES
4. CONSCIÊNCIA FONÊMICA

1. CONSCIÊNCIA DE PALAVRAS
Também chamada de consciência sintática, representa a capacidade de segmentar a frase em palavras e, além disso, perceber a relação entre elas e organizá-las numa sequência que dê sentido. Esta habilidade tem influência mais precisa na produção de textos e não no processo inicial de aquisição de escrita. Ela permite focalizar as palavras e sua posição na frase. Além disso, ordenar corretamente uma oração ouvida com as palavras desordenadas também é uma capacidade que depende desta habilidade.

2. CONSCIÊNCIA SILÁBICA

Consiste na capacidade de segmentar as palavras em sílabas. Esta habilidade depende da capacidade de realizar análise e síntese vocabular.
São atividades como contar o número de sílabas, dizer qual é a sílaba inicial, medial ou final de uma determinada palavra e também contar, segmentar, unir, adicionar, suprimir, substituir e transpor uma sílaba da palavra formando um novo vocábulo.

3. RIMAS E ALITERAÇÕES
A rima representa a correspondência fonêmica entre duas palavras a partir da vogal da sílaba tônica. As rimas podem ser :
Ø da palavra – igualdade entre os sons desde a vogal ou ditongo tônico até o último som:
SAPATINHO - PASSARINHO
Ø da sílaba – formada por palavras que terminam com o mesmo som.
BALÃO – MÃO
Ø sonora, ou seja, as palavras rimam, pois o som em que terminam é igual, independente da forma ortográfica.
OSSO e PESCOÇO

3.1. ALITERAÇÕES

Realiza-se por meio de sons semelhantes, não de letras. De modo que a aliteração consiste na repetição de consoantes ou de sílabas – especialmente as sílabas tônicas – em duas (ou mais) palavras, dentro do mesmo verso, estrofe, ou numa frase. Geralmente, a repetição dos sons
consonantais é feita no início e no interior de palavras, ou, então, em sílabas iniciais:
• Chegamos de uma terra feia, fria, fétida, fútil.
• “Toda gente homenageia Januária na janela.” (Chico Buarque)
• “Auriverde pendão de minha terra que a brisa do Brasil beija ebalança.” (Castro Alves)
Os gêneros trava-línguas são um bom exemplo de utilização da aliteração, pois repetem, no decorrer da frase, várias vezes o mesmo fonema. Também encontramos aliterações em poemas. Geralmente, os poetas utilizam a aliteração para sugerir ruídos da natureza.

4. CONSCIÊNCIA FONÊMICA
Consiste na capacidade de analisar os fonemas que compõem a palavra. Tal capacidade, a mais refinada da consciência fonológica, é também a última a ser adquirida pela criança.
Atividades como dizer quais ou quantos fonemas formam uma palavra; descobrir qual a palavra está sendo dita por outra pessoa unindo os fonemas por ela emitidos; formar novas palavras subtraindo o fonema inicial da palavra (por exemplo, excluindo o fonema [k] da palavra CASA, forma-se a palavra ASA), são exemplos em que se utiliza a consciência fonêmica.

 Referência: Secretaria de Educação de Minas Gerais, UFOP CEAD Centro De Educação Aberta e a Distância.                                

                  Baixar materiais

 Referencial teórico e atividades para cada sub habilidades:

Pasta de atividades 2

Atividades Contando sílabas( Consciência fonológica)

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Apostila para alfabetização


sábado, 7 de setembro de 2013

domingo, 1 de setembro de 2013

Jogos para trabalhar CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA


JOGOS
 Em todos os jogos, cada acerto dos representantes vale um ponto para o grupo representado.

CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA

Brincadeira 1: A palavra é....
Ø  Dividir a turma em grupo (alunos com níveis de aprendizagem diferenciado).
Ø  Em cada momento um aluno será o representante do grupo, até que todos tenham participado.
Ø  O grupo pode cochichar com seu representante, no sentido de ajuda-lo a elaborar a resposta.
Ø  O(a) professor (a) diz a palavra e discute com os alunos o seu significado, inclusive utilizando o dicionário)
Ø  O representante do grupo deve acrescentar uma consoante antes da vogal que forma a primeira sílaba e formar uma outra palavra. Não se esqueça, esta é uma atividade oral.
Ø  Exemplo 1: A palavra é... ato. Possíveis palavras que podem  ser formadas: fato, gato, bato, lato, mato, pato, rato, tato, chato, etc
Ø  Exemplo 2: A palavra é...ela. Possíveis palavras que podem ser formadas: nela, vela, mela, pela, gela, bela, etc

Brincadeira 2: Imitando o Cebolinha (turma da Mônica)
v  Antes de desenvolver esta atividade a professora deve trabalhar o gênero história em quadrinhos, utilizando, inclusive, a revistinha Turma da Mônica.
Ø  Dividir a turma em grupo (alunos com níveis de aprendizagem diferenciado).
Ø  Em cada momento um aluno será o representante do grupo, até que todos tenham participado.
Ø  O grupo pode cochichar com seu representante, no sentido de ajudá-lo a elaborar a resposta.
Ø  O(a) professor(a) propõe que falará palavras como se fosso o Cebolinha e o representante do grupo deve corrigi-la, pronunciando a palavra corretamente.
Ø  Cebolinha fala: glaça. O representante corrige: Cebolinha, a palavra é graça.
Ø  Outras palavras: flaca, blanca, Flança, blinca, etc

v  Perguntar aos alunos qual é a letra que o Cebolinha troca.


Brincadeira 3: Cebolinha ao contrário (Segunda versão da brincadeira “Imitando o Cebolinha”)
Ø  O(a) professor(a) fala as palavras certas e o representante do grupo fala imitando o Cebolinha.

CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA OU VALOR POSICIONAL DAS LETRAS

Brincadeira 4: Maia uma letra
Ø  Dividir a turma em grupo (alunos com níveis de aprendizagem diferenciado).
Ø  Em cada momento um aluno será o representante do grupo, até que todos tenham participado.
Ø  O grupo pode cochichar com seu representante, no sentido de ajudá-lo a elaborar a resposta.
Ø  O(a) professor(a) diz uma palavra e o representante do grupo deve transforma-la, utilizando o R na primeira sílaba, independente se antes ou depois da vogal..
Ø  Exemplo 1: Professor(a): pato  -  Aluno: prato ou parto
Ø  Exemplo 2: Professor: ala  -  Aluno: rala
Ø  Exemplo 3: Professor: caro – Aluno: carro (utilizar este exemplo para trabalhar separação de sílaba de palavras com rr ou ss).
v  Trocar a utilização do R por L, M, N.
v  Estas atividades podem ser trabalhada utilizando alfabeto móvel e ou escrita, para trabalhar a capacidade de relacionar o fonema com o grafema.


RELAÇÃO FONEMA\GRAFEMA

Brincadeira 1: Qual é a letra? (trabalhar sílabas não canônicas)
Ø  Dividir a turma em grupo (alunos com níveis de aprendizagem diferenciado).
Ø  Em cada momento um aluno será o representante do grupo, até que todos tenham participado.
Ø  O grupo pode cochichar com seu representante, no sentido de ajudá-lo a elaborar a resposta.
Ø  O(a) professor(a) apresenta uma ficha com a palavra completa e a palavra incompleta para o aluno completá-la formando outra palavra.
Ø  Exemplo 1: ficha com as palavras  


PATO    VIRA    P....ATO





PACA    VIRA    P....ACA





POTE   VIRA   PO....TE




COMPREENSÃO DA NATUREZA ALFABETICA DO NOSSO SISTEMA DE ESCRITA

Brincadeira 1: Só mais duas
Ø  Dividir a turma em grupo (alunos com níveis de aprendizagem diferenciado).
Ø  Em cada momento um aluno será o representante do grupo, até que todos tenham participado.
Ø  O grupo pode cochichar com seu representante, no sentido de ajudá-lo a elaborar a resposta.
Ø  O(a) professor(a) apresenta uma palavra no quadro e desafia os grupos a formarem mais palavras obedecendo as regras seguintes:
ü  A nova palavra formada deve conter todas as letras da palavra original.
ü  Além das letras da palavra original a nova palavra deve ter mais duas letras diferentes.
Ø  Exemplo 1 :Apresentar a palavra copa. Analisar com os alunos o número de letras e sílabas da palavra. Os alunos, utilizando o alfabeto móvel, deverão forma outras palavras, seguindo a regra acima: capado – pecado – picado – pipoca –  tapioca, etc
Ø  Analisar com os alunos se aumentando 2 letras, aumentou o número de sílabas ou não.

Brincadeira 2: Brincando de detetive

Ø  Dividir a turma em grupo (alunos com níveis de aprendizagem diferenciado).
Ø  Em cada momento um aluno será o representante do grupo, até que todos tenham participado.
Ø  O grupo pode cochichar com seu representante, no sentido de ajudá-lo a elaborar a resposta
Ø  A professora apresenta uma palavra “embaralhada” para o grupo descobrir qual é a palavra, obedecendo  o tempo dado por ele. (comece com um tempo maior e vá diminuindo à medida que os alunos desenvolvam).
Ø  Apresentar para o grupo A: bosmar (sombra) – grupo B: nafasamt (fantasma)
Grupo C: meseten (semente), etc.

LEITURA

Brincadeira 3: Qual é a frase?
Ø  Dividir a turma em grupo (alunos com níveis de aprendizagem diferenciado).
Ø  Em cada momento um aluno será o representante do grupo, até que todos tenham participado.
Ø  O grupo pode cochichar com seu representante, no sentido de ajudá-lo a elaborar a resposta
Ø  Colocar uma frase escrita em cartões (cada palavra num cartão) colados no quadro, virados.

A
menina
caiu
da
bicicleta
e
quebrou
a
perna.


Ø  Dar a vez ao  representante de cada grupo falar uma possível palavra da frase, de acordo com as dicas do(a) professor(a).
Ø  Professora para o grupo 1:
ü  A frase fala de uma pessoa que ainda não cresceu.
ü  O grupo tem 2 chances para dizer menina se não disser outro grupo pode dizer, se acertar ganha o ponto
ü  Professor para o grupo 2:
ü  A frase fala de um acidente que a menina sofreu.
ü  A frase fala de onde ela caiu.
ü  A frase nos conta o aconteceu quando a menina caiu da bicicleta..
Ø  O grupo que vier a seguir deve ler a frase toda.
Ø  Fazer a leitura coletiva(turma) da frase.
Ø  Pedir a alguns alunos para ler a frase.
Ø  Perguntar: quem já caiu da bicicleta?  Quebrou alguma coisa? O que aconteceu?








Brincadeira: Monta\desmonta
Ø  Dividir a turma em 12 grupos (alunos com níveis de aprendizagem diferenciado).
Ø  O(a) professor (a) deve dizer aos alunos que trouxe um texto (gênero híbrido: história em forma de poesia) todo cortado em fichas para que pudessem  deixar exposto, enfeitando a sala, mas que quando chegava na escola aconteceu um acidente: o vento soprou tão forte que todas as fichas  voaram. Agora ela precisava da ajuda dos alunos para  monta-lo novamente.. Ela irá distribuir o texto xerocado e  ler, na ordem certa, pelo menos 3 vezes. O(a) professor(a) irá pedir as partes do texto e o grupo que estiver com a ficha correspondente deve fixá-la no quadro, na ordem certa. Vale consultar o texto xerocado.
1)    Tragam a ficha que apresenta o personagem principal,
2)    a ficha que fala o que ela era antes de ser menina,
3)    a ficha que fala de como ela vivia,.
4)    a ficha que fala onde ela vivia,
5)    a ficha que fala do tipo do acidente ocorrido,
6)    a fichas  que fala de quem provocou o acidente,
7)    a ficha que fala do lugar onde a fada Rebeca guardava a varinha mágica,
8)    a ficha que fala sobre o que caiu de cima do armário.
9)    a  ficha que fala de como a varinha caiu de cima do armário
10) a fichas  que fala o que veio voando.
11) a ficha que fala em quem a varinha de condão bateu.
12)  a ficha que conta que a varinha bateu muito de leve  na boneca.
13)  a ficha que conta o que aconteceu quando a varinha bateu na boneca.
14) Leitura coletiva do texto todo, utilizando as fichas e possíveis leituras individuais.
15) Valendo 3 pontos: por que na última estrofe da poesia o autor chama a boneca de pobre? “Bateu na pobre boneca...”
16) Valendo 3 pontos: Quem sabe dizer qual foi  a transformação que aconteceu.
17)  Valendo 5 pontos: Cada grupo cria um título para o texto. A turma convida a especialista da escola para escolher o melhor título. O grupo, criador do título escolhido ganha 5 pontos.
v  Quem fizer mais pontos ganha o jogo.
O texto
1
2
3
4

5
6
7
8

9
10
11
12
13






























Era uma vez uma menina    
que um dia foi boneca.
Vivia sozinha, esquecida
Na casa da fada Rebeca.
Foi um acidente fatal.
A borboleta Formosa
derrubou de cima do armário
a varinha poderosa.
Veio voando no ar                                                                                                                                                                                                                                                                                                                           
a varinha de condão.
Bateu na pobre boneca
feito nuvem de  algodão
BUM! Que transformação!
FÁBULA: O padre, o rapaz e o menino
Ø  Dividir a turma em 6 grupos.
Ø  Trabalhar o suporte (livro) e o gênero textual (fábula): características e finalidades.
Ø  Ler o texto, mostrando as páginas do livro.
Ø  Distribuir o texto xerocado para os alunos.
Ø  Deixar que leiam o texto em grupo (a professora deve ajudar aqueles alunos que ainda apresentam dificuldades de leitura).
Ø  Gincana: Interpretar jogando
ü  Duração: 1 semana – 1 ponto para cada resposta certa
ü  jogo com dados: em cada face do dado uma ordem que o aluno, representante do grupo, deve executar.
ü  Para executar o comando ele pode utilizar as fichas de apoio.
Ø  Segunda – feira: identificar informações explícitas:. 
ü  Face  1 – Identifique os personagens da história
ü  Face  2 –  Responda: O que  o padre e o rapaz faziam?
ü  Face  3 -  Responda: Quem carregava as malas?
ü  Face  4 –  O que o menino ganhou? Desenhe no quadro.
ü  Face  5 -  Responda: de acordo com o padre, quem ficaria com o queijo?
ü  Face  6 -  Afinal, quem comeu o queijo? Escreva a resposta no quadro.
.
Fichas de apoio 

Padre, rapaz e o menino
Viajavam pelo mundo, se divertindo

O menino

Um queijo
Quem tivesse o sonho mais bonito

O menino


Ø  Terça-feira:  Fazer inferências
ü  Face  1-  Responda: Qual era a diversão do padre e do rapaz?
ü  Face  2-  Responda: Por que o menino se cansou?
ü  Face  3 - Qual foi a esperteza do padre na história? Responda primeiro e depois imite o padre falando.
ü  Face  4 - Responda: qual foi a esperteza do rapaz, ao contar o seu sonho?
ü  Face  5 - Explique a sequência dos sonhos. 
ü  Face  6 -  Explique a esperteza do menino.
Viajar pelo mundo
Porque ele andou muito, carregando as malas
Inventou uma  condição o para tentar ficar com o queijo do menino.
Utilizou o sonho do padre para inventar o seu.
O padre sonhou que subiu uma escada até o céu, o rapaz já estava no céu, esperando o padre
O menino ao vê-los no céu tentou lembra-los do queijo, mas eles disseram que ele podia come-lo.
O menino comeu o queijo enquanto os outros dormiam e justificou com o sonho.


Ø  Quarta-feira: 1-identificar assunto do texto, 2- continuidade temática,
      3- identificar o gênero textual, 4-  identificar a finalidade do texto, 5- identificar  
      o tipo de discurso(direto ou indireto) 6- Interligar informações
ü  Face  1-  Responda: qual é o assunto do texto? Escolha a ficha correta.
ü  Face  2-  Leia a página 4 (com a ajuda do professor) e responda: quem eram os 3 dorminhocos a quem os passarinhos acordaram? Escolha a ficha correta.
ü  Face  3 - Complete: este gênero textual é.....
ü  Face  4 -
ü  Face  5 -  
ü  Face  6 - 

Antes de sair deixe um comentário!